BOLHA, FRAUDE E PROBLEMAS – PREMIO NOBEL DE ECONOMIA SOBRE BITCOINS

BOLHA, FRAUDE E PROBLEMAS – PREMIO NOBEL DE ECONOMIA SOBRE BITCOINS

O economista norte-americano Paul Krugman é o vencedor do Prêmio Nobel de Economia de 2008. É também colunista do jornal The New York Times. Escreveu em sua coluna um artigo muito bacana (e sincero) sobre o que pensa a respeito dos Bitcoins. Bubble, Bubble, Fraud and Trouble (bolha, global, fraude e problemas) é o nome que deu à sua matéria. Achei muito interessante. Por isso, traduzi e estou reproduzindo o artigo na íntegra para você, leitor do Guia do Milhão!

“Outro dia, meu barbeiro me perguntou se ele deveria colocar todo seu dinheiro em Bitcoins. E a verdade é que, se ele tivesse comprado Bitcoins, digamos, há um ano, ele estaria se sentindo muito bem agora. Por outro lado, os especuladores holandeses que compraram bulbos de tulipas, em 1635, também se sentiram bem por um tempo. Até que os preços das tulipas despencaram, no início de 1637.

Então, Bitcoin é uma bolha gigante que acabará em sofrimento? Sim. Mas é uma bolha envolta em misticismo tecnológico, dentro de um casulo de ideologia libertária. E há algo a ser aprendido sobre os tempos em que vivemos, descascando esse embrulho.

Se você tem vivido em uma caverna e não ouviu falar sobre Bitcoin, é o maior e mais conhecido exemplo de ‘criptomoeda’: um recurso que não tem existência física, que consiste em nada além de um registro digital armazenado em computadores. O que torna as criptomoedas diferentes das contas bancárias comuns, que também não são nada mais que registros digitais, é o fato de que eles não residem nos servidores de nenhuma instituição financeira. Em vez disso, a existência de Bitcoins é documentada por registros digitais distribuídos em diversos lugares.

E sua propriedade não é verificada através de prova (e, portanto, revelação) da sua identidade. A propriedade de um Bitcoin é verificada através de uma senha secreta, que – usando técnicas derivadas da criptografia, a arte de escrever ou resolver códigos – permite acessar essa moeda virtual sem revelar qualquer informação que você não queira.

É um truque habilidoso. Mas é bom para o que?

A princípio, você pode utilizar Bitcoins para fazer pagamentos eletronicamente. Mas você pode utilizar cartões de débito, PayPal, Venmo, entre outros, para fazer isso também. E o Bitcoin acaba sendo um meio de pagamento mais fraco, lento e dispendioso. Na verdade, até mesmo as conferências sobre Bitcoins, muitas vezes, se recusam a aceitar Bitcoins dos participantes.

Realmente não há nenhum motivo para se utilizar Bitcoins em transações. A menos que você não queira que vejam o que você está comprando ou vendendo. E é por isso que, na verdade, uso dos Bitcoins muitas vezes envolve drogas, sexo e outros bens negociados nos mercados negros.

Portanto, o Bitcoin não é dinheiro digital. Na verdade, ele é um equivalente digital de uma nota de 100 dólares.

Como Bitcoins, as notas de 100 dólares não são muito úteis nas transações comuns. Boa parte das lojas não as aceitará. Mas as notas de alto valor são populares com ladrões, traficantes de drogas e sonegadores de impostos. E, muito embora a maioria de nós possa passar anos sem ver uma conta de 100 dólares, há muitas dessas circulando por aí. Há mais de um trilhão de dólares, o que representa 78% do valor dos dólares norte-americanos em circulação.

Então, os Bitcoins se apresentam como uma alternativa superior às notas de 100 dólares, por permitir fazer transações secretas sem precisar arrastar malas cheias de dinheiro? Na verdade, não. Porque os Bitcoins não possuem uma característica crucial: uma ligação com a realidade.

Muito embora o dólar moderno seja uma moeda sem lastro em outros ativos, como o ouro, por exemplo, seu valor está respaldado pelo fato de que o governo dos Estados Unidos o aceita. Na verdade, o exige, no pagamento de impostos. Seu poder de compra também é estabilizado pelo Federal Reserve, que reduzirá a quantidade de dólares em circulação se a inflação for alta demais. Ou aumentará esse suprimento para evitar uma eventual deflação. E uma nota de 100 dólares, claro, vale 100 unidades desses dólares amplamente estáveis.

Por outro lado, o Bitcoin não possui nenhum valor intrínseco. Combine essa falta de segurança, com a inexistência de conexão com a realidade, e ainda, com o fato de que o Bitcoin é usado para qualquer coisa: você tem um ativo cujo preço é quase puramente especulativo. E, portanto, incrivelmente volátil.

Os Bitcoins perderam cerca de 40% de seu valor nas últimas seis semanas. Se o Bitcoin fosse uma moeda real, seria o equivalente a uma de inflação anual de aproximadamente 8.000%!

Ah, e a natureza não controlada do Bitcoin também o torna altamente suscetível à manipulação do mercado. Há suspeitas de que, em 2013, atividades fraudulentas de um único operador causou uma alta de 700% no preço do Bitcoin. E quem está controlando o preço agora? Ninguém sabe. Alguns observadores acreditam que a Coréia do Norte pode estar envolvida.

Mas e o fato de que aqueles que compraram Bitcoins cedo ganharam muito dinheiro? Bom, as pessoas que investiram dinheiro com Bernie Madoff também ganharam muito dinheiro. Ou pelo menos pareciam, por muito tempo.

Como Robert Shiller, o maior especialista em bolhas de mercado do mundo, apontou, as bolhas de ativos são como ‘esquemas de pirâmides que ocorrem naturalmente’. Os primeiros investidores em uma bolha ganham muito dinheiro porque novos investidores são atraídos. E esses altos lucros dos primeiros investidores atraem ainda mais pessoas para aquele mercado. O processo pode durar anos antes de algo – uma percepção da realidade, ou simplesmente o esgotamento do número de potenciais investidores otários – levar a festa a um final súbito e doloroso.

Quando tratamos de criptomoedas, há um fator adicional. São uma bolha, mas também são um culto, cujos iniciados são dados a fantasias paranoicas sobre governos malvados roubando todo seu dinheiro. Ao contrário de hackers, que realmente roubaram uma fatia notavelmente alta dos Bitcoins existentes. Os jornalistas que escrevem ceticamente sobre Bitcoins dizem que nenhum outro assunto gera tanta correspondência odiosa.

Então, não. O meu barbeiro não deve investir em Bitcoins. Isso vai acabar mal. E quanto mais cedo isso acontecer, melhor.”

Paul Krugman - Bitcoins
Paul Robin Krugman é economista, vencedor do Nobel de Economia (2008), professor da Universidade Princeton, autor de diversas obras, e colunista do jornal The New York Times.
Sumário
BOLHA, FRAUDE E PROBLEMAS – PREMIO NOBEL DE ECONOMIA SOBRE BITCOINS
Artigo
BOLHA, FRAUDE E PROBLEMAS – PREMIO NOBEL DE ECONOMIA SOBRE BITCOINS
Descrição
Vencedor do Prêmio Nobel de Economia diz que há uma bolha evidente nos Bitcoins, e explica porque enxerga um futuro triste para investidores nas criptomoedas.
Autor
Site
Guia do Milhão

10 Comentários


  1. Nunca vi uma bolha mais clara do que vejo agora com o Bitcoin tá na cara que já já vai estourar

    Responder

  2. Não sei como tem louco que coloca dinheiro em um investimento tão duvidoso.

    Responder

  3. Ninguém tira da minha cabeça que Bitcoin é um tipo de pirâmide

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *