COE – CERTIFICADO DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS

Prepare-se para conhecer uma modalidade de investimento que revolucionou a forma de investir nos EUA e na Europa, e a pouco tempo chegou ao Brasil: o COE – Certificado de Operações Estruturadas.

Você já teve vontade de investir em renda variável, mas não teve coragem? Já pensou em investir na bolsa, no dólar, em commodities, e afins, mas deixou de investir em razão do risco de perder parte do seu dinheiro? Se já passou por isso, o COE pode resolver o seu problema! Foi isso que o tornou um dos investimentos mais populares nos EUA e na Europa, onde é conhecido como “Notas Estruturadas”.

No Brasil, foi criado pela Lei 12.249/2010. E regulamentado pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) em 2013 (Resolução 4.263/2013, e Circulares 3.684 e 3.685).

Quando criado e regulamentado no Brasil, o COE era oferecido pelos bancos emissores apenas aos grandes investidores. Mas isso mudou em 2015, com a publicação da Instrução 569 da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Ela facilitou o acesso dos pequenos e médios investidores ao COE, por meio de corretoras.

Assim como no CDB, o COE é utilizado pelos bancos para captar dinheiro junto aos investidores para fomentar suas atividades. Desta forma, ao investirmos no COE, estamos emprestando nosso dinheiro ao banco emissor. Assim ele poderá reemprestar esse dinheiro aos seus clientes a uma taxa de juros maior (com spread).

Ocorre que o COE possui características totalmente diferentes dos demais títulos de renda fixa. Tanto é que, apesar de estar sendo tratado no Brasil como um investimento de renda fixa, você vai perceber que o COE possui mais características de renda variável do que de renda fixa.

Sempre que comprar um COE, o investidor estará apostando em um índice. Em uma moeda, uma ação, um índice, uma commodity, enfim, estará fazendo um investimento de risco. Todavia, na maioria dos COE, esse risco é mitigado. Isso porque o valor nominal é protegido. Isto é, o capital investido estará protegido de perdas, de forma total ou parcial.

Na prática, o COE funciona mais ou menos assim: o investidor fará uma aposta em algo que ele acredita que se valorizará num futuro próximo, como por exemplo, o dólar ou o índice Bovespa. Se estiver certo, terá uma boa rentabilidade no seu investimento. Se estiver errado, na maioria dos COE (que possuem o valor nominal protegido), terá o dinheiro investido protegido. Assim, receberá de volta exatamente o que investiu, sem qualquer perda ou remuneração.

Existe também uma minoria de COE que não protege o valor nominal, ou o protege de forma parcial. Nestes casos, perdas são possíveis.

O investidor terá pleno conhecimento das possibilidades de ganho ou perda antes de concretizar o investimento. Todas as características do título são apresentadas antecipadamente através do DIE – Documento de Informações Essenciais, documento cuja entrega é obrigatória por pelo distribuidor do COE.

O DIE pode ser visto como o contrato do COE. É o “manual de instruções” de como funciona aquele investimento. Com todas as suas peculiaridades, entre as quais: quem é o banco emissor, qual é a data-base (início) e o vencimento do título, como será calculada a rentabilidade do investimento, e se o capital investido é protegido ou não.

Por isso, é muito importante que o DIE seja lido e compreendido antes que se faça o investimento!

MODALIDADES DE COE

Podemos classificar os COE em duas modalidades principais:

  • Com valor nominal protegido: o capital investido estará protegido. Assim, se o investidor “errar sua aposta”, terá seu dinheiro total ou parcialmente segurado. Em contrapartida, caso “acerte sua aposta”, essa modalidade de COE costuma prever um limite nos ganhos.
  • Sem o valor nominal protegido: o capital investido não estará protegido. Assim, o investidor poderá perder parte do dinheiro que investiu caso “aposte errado”. Por outro lado, essa modalidade de COE costuma proporcionar possibilitar uma maior rentabilidade em caso de acerto.

LIQUIDEZ DO COE

O COE só pode ser liquidado no seu vencimento.

RENTABILIDADE DO COE

Por acompanhar a variação de índices e preços, a rentabilidade do COE costuma ser calculada apenas na data do seu vencimento.

Entretanto, alguns bancos e corretoras fornecem aos investidores prévias do valor do título.

RISCO DO COE 

O risco do COE está diretamente ligado à capacidade de pagamento do banco que o emite, vez que é o emissor quem deverá devolver ao investidor, no vencimento, o valor acordado no DIE.

O COE não entra na lista de investimentos garantidos pelo FGC – Fundo Garantidor de Créditos.

Por isso, é aconselhável que seja verificada a capacidade de pagamento do banco emissor do COE que se pretende investir.

E uma boa forma de fazer isso é através das agências de classificação de risco, que avaliam e classificam o risco dos títulos emitidos pelos bancos.

TRIBUTAÇÃO

No momento do resgate do COE incidirá o IR (imposto de renda) sobre a rentabilidade do investimento (e não sobre a totalidade do investimento).

A alíquota do IR varia de acordo com o prazo do investimento. Quanto mais tempo o dinheiro permanece investido, menor é a alíquota do IR:

  • Até 180 dias: 22,5% sobre o lucro auferido.
  • De 181 dias até 360 dias: 20% sobre o lucro auferido.
  • De 361 dias até 720 dias: 17,5% sobre o lucro auferido.
  • 721 dias ou mais: 15% sobre o lucro auferido.

No COE, assim como no caso da grande maioria dos títulos de renda fixa, quanto maior o período de investimento, menor será a alíquota da tributação.

DEMONSTRAÇÃO

Para demonstrar como funciona esse investimento, selecionei um COE que me foi oferecido no dia 06/06/2016, emitido pelo Banco Original:

COE - Certificado de Operações Estruturadas
COE oferecido pelo Banco Original em 06/05/2016

Veja, que estamos diante de um COE com valor nominal protegido, que aposta na alta do dólar.

Oferece rentabilidade igual a valorização da moeda americana nos próximos 185 dias. Oferece ainda, uma proteção do valor nominal que garante a rentabilidade mínima de 3%. Ainda que o dólar se desvalorize no período.

A cotação inicial do dólar informado no momento da compra do COE é de R$ 3,58. Assim, se 185 dias depois, o dólar estiver cotado acima desse valor, o dinheiro investido será rentabilizado pela variação que for registrada. Se o dólar subir 5%, o investidor receberá 5% de rentabilidade sobre o que investiu. Se o dólar subir 10%, receberá uma rentabilidade de 10% sobre o valor investido. Até o limite de 12%.

São três os possíveis cenários no vencimento do título:

COE - Certificado de Operações Estruturadas
COE oferecido pelo Banco Original em 06/05/2016
  • Cenário A – Desvalorização do dólar: por se tratar de um COE que oferece proteção ao valor nominal, se no vencimento do título, o valor do dólar for menor do que a cotação inicial, o investidor receberá o dinheiro que investiu acrescido de 3%.
  • Cenário B – Valorização do dólar entre 0 e 12%: se no vencimento do título, o valor do dólar for maior do que a cotação inicial, o dinheiro investido se valorizará na mesma proporção da valorização do dólar, lembrando que a proteção ao valor nominal já garante a valorização mínima de 3%.
  • Cenário C – Valorização do dólar acima de 12%: independentemente de quanto se valorize o dólar (acima de 12%), a rentabilidade máxima desse título será de 12%.
COE - Certificado de Operações Estruturadas
COE oferecido pelo Banco Original em 06/05/2016

Vejamos a tabela que exemplifica cenários:

COE - Certificado de Operações Estruturadas
COE oferecido pelo Banco Original em 06/05/2016

Note que, se por um lado, este COE não apenas protege 100% do valor investido, como também garante a rentabilidade mínima de 3%, por outro lado, limita essa rentabilidade a 12%.

Assim, dependendo da variação do dólar, esse investimento renderá de 3% a 12% em 185 dias (aproximadamente 0,5% a 2% ao mês).

Assim como esse título apresenta algumas peculiaridades, cada COE terá as suas próprias características, devendo essa análise ser feita caso a caso.

E então? O que achou do COE? Faça sua pergunta ou deixe seu comentário na área abaixo!

Veja também outros investimentos de renda fixa:  CDB – Certificado de Depósito Bancário / LC – Letra de Câmbio / LCA – Letra de Crédito do Agronegócio / LCI – Letra de Crédito Imobiliário / Debêntures / Tesouro Direto

Sumário
COE - CERTIFICADO DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS
Artigo
COE - CERTIFICADO DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS
Descrição
Saiba tudo sobre o COE, modalidade de investimento que revolucionou a forma de investir nos EUA e na Europa, e a pouco tempo chegou ao Brasil!
Autor
Site
Guia do Milhão

4 Comentários


  1. Mas se eu ganho com o dólar subindo ou descendo, como que o banco ganha dinheiro com esse COE?

    Responder

    1. Ótima pergunta Rafael! Estou preparando um artigo exatamente sobre isso! Vou dar uma de Mr. M e revelar “a mágica” que os bancos fazem ao emitir o COE. Rs. Fique de olho que nos próximos dias publicarei essa matéria!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *