COMO INVESTIR EM DÓLAR (E COMO NÃO INVESTIR)

Como se sabe, o dólar é visto no mundo todo como um sinônimo de segurança. Por esta e outras razões, é muito comum vermos nos países emergentes, inclusive no Brasil, pessoas que buscam investir em dólar.

E o dólar tem se apresentado como uma boa opção de investimento nos últimos anos. Tem se valorizado constantemente frente ao real desde 2008. E enfrentado oscilações em 2016, em razão da instabilidade política do Brasil.

Como Investir em Dólar

É cada vez maior o número de brasileiros que se interessam por investir no dólar.

Todavia, grande parte dos brasileiros não costuma fazer esse investimento da forma mais inteligente.

Quer um exemplo? Faça um teste. Pergunte para as dez primeiras pessoas que você encontrar hoje: como investir em dólar? Te garanto que as duas respostas que você mais vai ouvir, não necessariamente nesta ordem, serão: “não sei”, e “comprando dólar na casa de câmbio”.

COMO NÃO INVESTIR EM DÓLAR

Pois é. A má notícia aqui é que, comprar dólar na casa de câmbio, seja em papel, seja em cartão de viagem, é uma das piores maneiras de se investir em dólar. Explico.

São três as razões para não se investir em dólar papel ou em cartão de viagem.

  1. Por causa do deságio.

Sempre que fizer uma operação de compra ou de venda de qualquer moeda estrangeira, a casa de câmbio ou o banco te cobrará um deságio.

Ora, tanto as casas de câmbio quanto os bancos são empresas. É assim que obtém lucro.

Veja que, sempre que for comprar dólar, te venderão por um valor bem acima do valor que te pagarão se você for vender. Normalmente, o preço de venda estará acima do dólar comercial. Já o preço de compra, estará abaixo do dólar comercial. Essa diferença entre o valor de venda e o valor de compra é chamada de spread.

E essa diferença entre a compra e a venda, por si só, já dificulta a viabilização do investimento. Isso porque o seu investimento terá que ter uma boa valorização só para compensar esse spread!

Acredite: comprar dólar na casa de câmbio é uma alternativa para quem vai viajar e precisa de uma pequena quantia para levar. Para investir, não é viável.

  1. Por causa dos tributos.

Ao comprar dólar papel, incide o IOF (imposto sobre operações financeiras) a uma alíquota de 0,38%, o que até é aceitável.

Mas, para comprar o mesmo dólar em forma de um cartão de viagem, travel check, ou similares, a alíquota do IOF é de 6,38%.

Tai mais uma valorização que seu investimento terá que apresentar para viabilizar o negócio.

  1. Por causa da segurança.

E a terceira razão para não se investir em dólar papel é óbvia. Não é seguro guardar grandes quantias de dinheiro em casa.

Portanto, se sua ideia é investir no dólar, saiba que, uma das piores formas de fazer isso é comprando em forma de papel, cartão de viagem ou afins nas casas de câmbio ou bancos. Jamais utilize essa forma de investimento!

Como Investir em Dólar

Pois bem, agora que você já sabe como não investir em dólar, como faz para investir em dólar?

Muito bem. Passamos agora a apontar e a explicar de forma breve e direta três ótimas maneiras de se fazer investimentos em dólar.

  1. Fundos Cambiais e Fundos de índices
  2. Minicontratos
  3. Certificado de Operações Estruturadas (COE)

Vamos a elas?

FUNDOS CAMBIAIS E FUNDOS DE ÍNDICES (ETFs)

Os Fundos Cambiais são fundos como outros quaisquer. Podem ser encontrados em quase todos os bancos.

A regra para esses fundos é basicamente esta: o dólar sobe, o fundo sobe; o dólar desce, o fundo desce.

Assim como qualquer outro fundo, os fundos são muito fáceis de serem encontrados e comercializados. Podem ser comprados até mesmo pela internet, junto à corretora ou ao banco de sua preferência.

Os fundos cambiais são indicados para investimentos de médio prazo. Não são a melhor escolha para day traders ou para negócios especulativos. Neste caso, os minicontratos, que trataremos adiante, são mais indicados.

Mas existem também os fundos que não investem necessariamente na moeda dólar. Investem em ativos atrelados ao dólar (e esses são meus preferidos!), como ações de empresas americanas, por exemplo.

Neste caso, além de ter o capital segurado da variação do dólar, o investidor poderá estar recebendo dividendos. E não de qualquer empresa, mas sim das maiores empresas do mundo. Como Apple, Google, Microsoft, Coca-Cola, Gilette, Disney, entre outras.

Assim, a variação desses fundos pode depender também de outras variáveis além do dólar. Como por exemplo a valorização positiva ou negativa dessas empresas ao longo do tempo.

Outros fundos que se destacam são os Exchange Traded Funds (ETFs), no Brasil conhecidos como fundos de índices. Também são opções muito interessantes para o investidor interessado no dólar.

Os fundos de índices são fundos basicamente espelhados em índices. Suas cotas são negociadas nas bolsas de valores do mundo todo, da mesma forma que as ações.

Se tiver interesse em investir em qualquer um desses fundos, a sua corretora certamente poderá te orientar.

MINICONTRATOS

São pequenos contratos atrelados ao dólar que são oferecidos na BM&F. Também podem ser adquiridos por meio de uma corretora.

Os minicontratos são assim denominados justamente por serem bem menores que os contratos ordinários comercializados na BM&F.

Cada minicontrato é valorado em $ 10.000 (dez mil dólares). Mas o investidor não precisa, necessariamente, dispor de todo esse dinheiro.

Isso porque são contratos que permitem a utilização da alavancagem. É possível, com 3 ou 4 mil reais, operar um mini-contrato de 10 mil dólares.

É claro que o investidor tem que saber o que está fazendo. Isso porque a alavancagem funciona tanto para cima como para baixo. Permite tanto ganhar muito investindo pouco, como também perder muito.

Ao contrário dos fundos, o investidor pode investir tanto na alta quanto na baixa da moeda, e não apenas na alta.

São bastante indicados para operações de curto ou médio prazo.

São utilizados também para operações de hedge, isto é, uma espécie de seguro feito por pessoas ou empresas que têm obrigações em dólar a serem pagas.

CERTIFICADO DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE)

Os COE são papéis que objetivam proporcionar ao investidor a segurança da renda fixa com a possibilidade de rendimentos da renda variável.

É um produto novo, que foi lançado em 2014 e cresceu muito com a recente regulamentação de ofertas públicas pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários).

Um COE pode ser atrelado a diversos índices, como o iBovespa, índices de outras bolsas estrangeiras, as ações de uma empresa qualquer, commodities, ou à variação cambial de moedas, entre as quais, a que nos interessa neste artigo: o dólar.

Neste tipo de investimento, tanto os ganhos quanto a perda costumam ser limitados, justamente para proporcionar uma maior segurança ao investidor.

Muito embora seja possível estruturar um COE de forma que seja possível que o investidor possa perder parte do seu investimento, o que vemos em quase todas as emissões é a proteção do capital investido. Isso quer dizer que, na pior das hipóteses, no vencimento do título, o investidor recebe de volta o valor que investiu.

Para entender melhor como funciona o COE, leia o artigo “COE – Certificado de Operações Estruturadas”.

Os COE atrelados ao dólar podem variar, mas não costumam fugir muito disso.

Se sua ideia é investir em dólar, é uma operação a ser considerada, em razão da relação risco/retorno apresentada, principalmente.

Como Investir em Dólar

Pois bem. São estas as três formas mais comuns e mais viáveis de se investir em dólar.

Eu, particularmente, tenho preferência pelos fundos atrelados a ações de empresas americanas (por estar acompanhando a valorização dessas empresas no longo prazo e recebendo dividendos enquanto o capital fica protegido da variação do dólar), e em algumas situações específicas, pelo COE (por causa da boa possibilidade de ganhos no curto prazo com risco quase nulo).

E você? Qual a sua forma de preferida de investir no dólar? Deixe sua opinião, dúvida e comentários!

 

Sumário
COMO INVESTIR EM DÓLAR (E COMO NÃO INVESTIR)
Artigo
COMO INVESTIR EM DÓLAR (E COMO NÃO INVESTIR)
Descrição
Aprenda, de forma simples e direta, três das melhores maneiras maneiras de como investir em dólar, tanto na sua valorização quando na desvalorização!
Autor
Site
Guia do Milhão

14 Comentários


  1. Tiago tenho acompanhado seu blog a algum tempo e esse é sem duvidas o melhor artigo. Parabéns. Muito bom mesmo.

    Responder

    1. Obrigado por acompanhar o blog Anderson! Sua audiência é muito importante! Fico feliz que tenha gostado do artigo!

      Responder

    1. Oi Jonathan! Com certeza! Os mini contratos permitem que o investimento seja feito tanto na valorização quanto na desvalorização do dólar!

      Responder

  2. Olá Tiago

    Tenho um capital de R$ 1.000,00 quero fazer um investimento. Procuro o meu banco para fazer a transação? qual é o melhor investimento para iniciante iguail a mim.

    Responder

    1. Oi Maria!
      Não indico que invista em bancos… Comece abrindo uma conta em uma corretora, que você vai encontrar opções de investimento bem melhores!

      Responder

  3. Oi, Thiago, tudo bem? Parabéns pelo artigo. Muito bem elaborado e de uma maneira fácil para iniciante. Tenho uma dúvida: moro no exterior e possuo conta em dólar em Miami, ou seja, possuo recursos em dólares provenientes de salário , mas o meu gerente nunca me ensinou como investir para aumentar o meu patrimônio, ofereceu-me um fundo que rendeu-me menos de 25 dólares em 3 meses para um montante de 50.000 mil dólares. Gostaria de investir o montante de 100.000,00 dólares em algo que me desse um bom retorno em 3 anos. O que você me sugere? Desde já agradeço a dica.

    Responder

    1. Olá Deiza!
      Que bom!
      Muito legal saber que você já está investindo!
      De fato, a taxa de juros dos EUA é baixíssima!
      Na maioria dos casos, os investimentos oferecidos pelos bancos sequer cobrem a inflação daí!
      Justamente por isso que muitos investidores americanos investem no Brasil!
      Aí nos EUA eu te indicaria duas opções:
      1. montar uma carteira de ações bem diversificada aí nos EUA (a valorização costuma ser muito boa no médio/longo prazo, e bem menos volátil que no Brasil, além de pagar bons dividendos).
      2. investir diretamente em pequenos negócios que apresentam segurança e boas oportunidades para investidores.
      Se tiver interesse posso te indicar alguns bons consultores que conheço aí na Flórida que podem te ajudar mais!
      Me contate no contato@guiadomilhao.com.br
      Abraço e bons investimentos!

      Responder

  4. Caro Thiago
    Estou para me aposentar e tenho umas economias que gostaria de multiplicar. Elas estão em fundos de investimento, mas gostaria de aplicar US$10.000 no mercado americano. Como faço, e em que ativo?

    Responder

    1. Fala Carlos!
      É difícil eu te falar em qual ativo investir se não souber quais são seus objetivos…
      O ideal aí é buscar uma corretora lá que possa te orientar com base nos seus objetivos.
      Se a sua ideia é fazer uma carteira de investimentos para a aposentadoria, te indico que dê uma olhada no nosso programa Segredos do Milhão, onde nossos alunos tem montado carteiras extremamente rentáveis!
      Grande abraço!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *